Gustavo ChapChap, da JET e-business, fala sobre tendências e desafios de abrir um e-commerce

O ecommerceCAMP é uma iniciativa que reúne diferentes especialistas do mercado de e-commerce. Estes especialistas são embaixadores e participam do projeto por diferentes motivos. Com o objetivo de conhecer melhor o trabalho de cada especialista e sua visão de mercado, estamos fazendo um ping pong com os embaixadores.

Nesta edição, entrevistamos Gustavo ChapChap, atual Sales & Marketing Manager da JET e-business. O executivo, além de participar das decisões estratégicas do negócio, ajuda a planejar a evolução da plataforma. Formado em Propaganda e Marketing pela ESPM, com Especialização em Gestão de Projetos, ChapChap atua no mercado digital há mais de 15 anos. O executivo compartilha na entrevista sua experiência e dá dicas para empreendedores PME abrirem um e-commerce.

ecommerceCAMP – Como a JET e-business se apresenta no mercado de e-commerce?

Gustavo ChapChap – A JET ficou com 3 vertentes, pois a operação de Full Commerce foi separada. Com a JET tem uma operação de “long tail”, fornece tecnologia para o UOL, é a plataforma de e-commerce do UOL Host.  A JET tem a Enterprise, que é a plataforma de e-commerce com alto desempenho, focada em empresas de médio a grande porte, com serviços totalmente customizáveis.

A grande novidade é a NEO – Omnichannel Commerce Plataform. A NEO foi lançada recentemente e é uma plataforma totalmente nova, preparada para atender empresas com investimentos mensais a partir de R$ 10 mil (Middle Market). A NEO foi desenvolvida com os conceitos mais modernos de plataforma aberta, incluindo front end até o checkout aberto (uma agência consegue editar o checkout, por exemplo), com hub de marketplace nativo e com ferramenta de ponto de vendas nativa, chip e senha (para vendas presenciais). É uma plataforma flexível, 100% Omnichannel, com vendas responsivas para mobile, vendas nas televendas, atende vários formatos de negócios (B2B, B2C e B2E).

A JET tinha também uma operação de Full Commerce, mas recentemente ela se tornou outra empresa, chama-se Selia. Temos projetos em comum, porém as operações são totalmente separadas.

Gustavo ChapChap, da JET e-business, fala sobre tendências e desafios de abrir um e-commerce

ecommerceCAMP – A NEO oferece uma excelente vantagem para empresas de menor porte, que são as integrações nativas com os Marketplaces? Quais os Marketplaces com hubs na NEO?

Gustavo ChapChap – A NEO terá três ondas para Marketplace. As ondas são fases de desenvolvimento. A plataforma já nasce com os principais Marketplaces nativos, que são: a B2W, a CNova (do Grupo Pão de Açúcar, detentora dos sites Extra, Ponto Frio e Casas Bahia), o Buscapé, a Netshoes, o Walmart, o Magazine Luíza e o Mercado Livre.

ecommerceCAMP – Qual é a diferença da NEO para a Enterprise?

Gustavo ChapChap – A NEO é uma plataforma supermoderna, já vendemos inclusive para grandes clientes, porém é uma plataforma sem customização no código. Ela evolui muito rápido, mas não tem customização. A JET Enterprise eu consigo customizar, fazer um modelo de negócios para o cliente, possui um alto nível de customização.  A NEO serve para qualquer indústria, possui uma série de funcionalidades e uma arquitetura de construção. Tudo o que for fazer no front end, a NEO permite. O que ela não permite é trocas no sistema, por exemplo criar funcionalidades no backend, no código. A plataforma evolui junto para todos e a atualização acontece a cada 30 dias e é de acordo com o interesse da maioria.

 

ecommerceCAMP – Você está na JET há mais de um ano. Neste tempo, o que você tirou de lição que você pode compartilhar conosco?

Gustavo ChapChap – O Luís Mário Lunardi, fundador da JET, conta a seguinte história… Um dia ele fundou um provedor de internet e disse a seguinte frase “Um dia, todo mundo vai ter um e-mail”. Isso em 1995. E na fundação da JET, que foi em 1999, ele fez a seguinte profecia. “Um dia, todo mundo que vende produto ou serviço, vai ter um e-commerce”. E o que eu sinto de grande mudança no mercado do e-commerce é que todo o consumidor compra no e-commerce, mesmo sem saber disso. Por exemplo, a compra de passagem aérea, apps de transporte é tudo compra não presencial, é um e-commerce.

E o que eu sinto de grande diferença é que, antigamente, a gente abordava o cliente o convencendo a abrir um e-commerce e tinha que provar a viabilidade do projeto. Agora não, ele já sabe que precisa. A pergunta não é se ele vai ter um e-commerce, mas sim como e quando. Esta é a principal mudança. A pergunta mudou, não é preciso mais convencer o cliente a entrar para o e-commerce, seja ele pequeno ou grande.

 

Gustavo ChapChap, da JET e-business, fala sobre tendências e desafios de abrir um e-commerceAntes eu tinha que falar das vantagens do e-commerce, dizer que é legal. Agora, a missão é tirar dúvidas. Será que vou ter conflito de canal? É melhor fazer um B2B ou B2C? Como eu faço para vender em Marketplace? Como eu faço para trazer tráfego? A gente queimou uma etapa.

ecommerceCAMP – O que você diria aos empreendedores que estão entrando no e-commerce, tanto PMEs quanto grandes empresas? Que conselhos você daria?

Gustavo ChapChap – Para pequenos empreendedores, é importante fazer um setting de expectativas. É importante se ele não tiver experiência no digital, ele fazer um reflexo do mundo físico, para assim conseguir entender como isso funciona. Da mesma forma que não adianta abrir uma loja em um ponto que não passa gente, não adianta abrir um e-commerce que não tenha tráfego. E a partir do momento que você tem tráfego, é preciso compreender a demanda do mercado e analisar se você está atingindo o consumidor certo. Isso faz com que ele descubra alguns diferenciais ou que crie diferenciais que não mapeou num primeiro momento.

Uma coisa que eu sempre falo para o empreendedor PME que é melhor para ele criar um organograma por funções. Mesmo que ele vá fazer todas, ele precisa entender que em algum momento ele vai crescer e vai precisar escalar. Se ele não fizer isso, mesmo que ele se posicione com a vantagem da proximidade, vai chegar um momento que ele precisa crescer e acabará perdendo este diferencial. Tem muitos e-commerces e uma grande mortalidade de lojas. Então é fundamental ter diferenciais.

O grande empreendedor, em geral, o desafio é criar um canal adicional sem criar conflito com os canais adicionais. Em geral é um e-commerce B2B (Business to Business) Ele precisa trazer um incremental aos canais que ele já possui. Então, por exemplo, há empresas que possuem representante e estes vendem para grandes clientes. No entanto, eles não querem ir aos clientes menores, por isso não abrem novos mercados.   Neste caso, é interessante um B2B focado nestes clientes menores, nos quais os representantes não têm interesse em ir.   A indústria já está entrando no e-commerce. Vale ressaltar que a conversão do B2B é bem maior do que no B2C, gira em torno de 7% do tráfego da loja.

ecommerceCAMP – Você tem vistos novas lojas de serviços na empresa?

Gustavo ChapChap –Sim, tenho visto, mas ainda é bem menor que as lojas de produtos. Tem um movimento de oferta de serviços junto a produtos. Por exemplo, temos um cliente aqui que vende motores para piscinas. Junto ele estabeleceu uma rede de parceiros autorizados e oferece junto da venda dos serviços da rede. Este formato é o B2B2C.  Além de gerar venda para os parceiros, ele consegue garantir a venda do seu produto.  Depois de tudo, ele ainda pode abordar o cliente final para saber como foi o serviço do parceiro autorizado.

O que você achou da iniciativa do ecommerceCAMP?

Gustavo ChapChap – É um projeto sensacional! O ecommerceCAMP acultura o mercado, cria uma estratégia de formação profissional que acontece na prática, vai ter uma grande circulação de profissionais mais experientes, a tendência é que estes profissionais consigam fazer uma transmissão de conhecimento para profissionais mais juniores e a gente consiga formar mais rápido profissionais de e-commerce capacitados. O que é um profissional de e-commerce bom? É um cara que teve experiência, é alguém que aprendeu em algum lugar na prática. Temos algumas escolas, mas ainda é difícil ter a prática. A democratização do espaço e o ponto de e-commerce físico é muito importante. Hoje o relacionamento entre os profissionais é muito restrito aos grandes eventos e fóruns.

Além disso, acho que o ecommerceCAMP vai gerar alguns marcos para este mercado, acredito que algumas realizações “by ecommerceCAMP” acontecerão no local. Pode haver alguma fusão entre empresas por ter se encontrado no local, ou alguma identificação de sinergia entre negócios, algum e-commerce que venha a ser incubado etc… Então, coisas que vão acontecer, em algum momento vai ficar claro que isso só aconteceu por que o ecommerceCAMP existe, por que ele proporcionou que isso acontecesse. Seja por um conteúdo, um evento, algum investidor. É difícil ter alguma iniciativa de e-commerce assim. É importante ter esta chama, é uma iniciativa diferente, de fomentar o e-commerce, seja fazendo aculturamento de mercado direcionamento de demanda, ou seja, promovendo interação entre profissionais.

Como você falou, tem a conexão pelo conhecimento no ecommerceCAMP?

Gustavo ChapChap –  Sim, e como tem bastante gente legal apoiando o projeto e como ninguém é dono da verdade, acho que todo os profissionais seniores também vão aprender muito.  Isso inclusive é uma dificuldade. O mercado de e-commerce tem os grandes eventos, mas são criados alguns dogmas. Fulano de tal fala tal coisa e fica batendo naquela tecla eternamente. Avalio este como um dos principais erros, pois as coisas mudam. Precisamos nos adaptar às mudanças.

O que eu costumo falar nas minhas palestras sobre o estágio em que está o e-commerce atualmente é que o mundo mudou, o consumidor mudou por que a tecnologia mudou o mundo. Esta tecnologia omnichannel da JET NEO, já há algum tempo que a gente vem ouvindo falar, porém não tinha como a tecnologia ser implementada bem. Agora, existem iniciativas muito bem-sucedidas, graças às tecnologias que surgiram nos últimos tempos. Existe uma curva de aprendizagem nas tecnologias e acho que agora é o momento certo para o omnichannel. Estamos naquele ponto que os fornecedores de produtos já sabem que é mandatório estar no e-commerce. Não há mais como não ter uma estratégia omnichannel.

One thought on “Gustavo ChapChap, da JET e-business, fala sobre tendências e desafios de abrir um e-commerce

  1. Pingback: 5 filmes que todo empreendedor de e-commerce deve assistir

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *